A atmosfera é composta por uma proporção específica de gases: Nitrogênio – 78%; Oxigênio – 21%; Vapor de água – 0 a 4%; Argônio – 0,93%; Dióxido de Carbono – 0,3%; Hélio – 0, 0005%; Metano – 0,0002%.; Óxido Nitroso – 0,00003%; Ozônio – 0,000004%; entre outros de baixa concentração.

Apesar da presença majoritária de oxigênio e nitrogênio, estes são gases que pouco contribuem para a regulação da temperatura do planeta. Função que fica a cargo de gases que perfazem menos de 1% da composição da atmosfera.

Os gases liberados por atividades humanas que intensificam o efeito estufa não são apenas aqueles que já existem na atmosfera, mas também gases que não ocorrem naturalmente e que também impedem a dispersão de calor para o espaço.

Cada gás tem um Potencial de Aquecimento Global (PAG), que representa numericamente sua influência sobre o efeito estufa e o comportamento de suas moléculas quanto à absorção e retenção de calor e à permanência na atmosfera. As medições para determinar esse índice são feitas em escalas de 20, 100 e 500 anos e usam o PAG do dióxido de carbono (CO2) - que tem valor 1, por convenção - para estabelecer o potencial dos demais GEEs, uma vez que o CO2 é o gás que mais contribui para o efeito estufa atualmente. Daí o termo dióxido de carbono equivalente (CO2e).

Confira no menu à direita mais detalhes sobre os GEE.

Dióxido de Carbono (CO2)
Metano (CH4)
Óxido Nitroso (N20)
Ozônio (O3)
Vapor d'água (H2O)
Gases sintéticos